quarta-feira, 29 de maio de 2013

Densidade


A palavra é densa. Tem o peso do sentimento.
Coerência, verdade e cuidado: para quem diz o que se faz e age o que se prega.
Fiapos só chamam atenção quando presentes onde não deveriam.
Ficam ali pendurados, expostos, atraindo olhos pesados e pensamentos incertos.
A lua cheia vem ascender a inquietude intrínseca. O sono vem rápido - e se vai ainda mais fugaz.
A moça desperta da noite sem sonhos pensando no que é e no que apenas parece ser. Mas nem se ateia tanto. No fundo, sabe bem que deve frear a queda livre (será que dá?).
Ela escuta uma cantiga de acordar, toma um banho de alma - com cheiro de alecrim e textura de algodão - e vai ver o brilho do dia.
Entre mesquinharias e superficialidades, ela sempre se lembra do que realmente é valoroso: o carinho de quem se gosta, a reciprocidade do amor e o milagre da vida.

segunda-feira, 13 de maio de 2013

Respirar o amor



A sobrancelha esquerda se levanta inquisitiva questionando aquela velha dúvida.
O silêncio do quarto escuro cala a voz. 
Ela se concentra na sístole e diástole dos dois corações em sincronia. No calor da pele, no carinho na nuca, no suspiro velado.
Os pensamentos voam soltos, dissimulados, brincando de sonhar.
A alma tem sede de vinho, de prazer, de vida. 
Um anseio tímido de ser única grita baixinho no âmago do estar. 
A mesma profundidade, a soberana intensidade. 
A interferência dos astros guiando o caminho de luz.
-Seja menos detalhista, diz o reflexo dos olhos negros no espelho.
O sorriso ri seu riso aberto, por duas etapas de felicidade. 
A inquietude do peito já se transformou em paz. Para que hesitar?
É só se deixar sentir - livre. Aprender a nova solidão de ser só dois. 
Viver, crescer, aprender. 
Respirar o amor.
© Califasia - 2015. Todos os direitos reservados.
Criado por: Ana Beatriz Miranda.
imagem-logo