segunda-feira, 29 de abril de 2013

Sejamos




Entre devaneios silenciosos e palavras compartilhadas, me vem a dúvida do ser ou não ser. Das possibilidades, cessões e congruências. 
A busca pelo tom certo. Voz, olhar e corpo.
Eu tenho apreço pelas entrelinhas. Deve ser a mania da clareza. Que se mostra quase ingênua de tanta luz.
Há de haver espaço para a escuridão também. Um pouquinho de breu. O apego pelo obscuro.
Um suspiro substituto da incompreensão. Nada de som, nem de expressão.
O sorriso disfarçando o pensamento.
Quem sabe o pouco se torne muito assim: pelo avesso. 
As novas batidas do coração querem anunciar o sentimento. Gritar pro mundo, fugir do peito acelerado. Não sabia que é preciso calma. 
Mas acabou por descobrir. 
Recitou um cordel, riu em segredo, tomou um outro gole e viu que está na hora de ser feliz. 
De viver a felicidade.
Sem questionar, sem duvidar, sem transformar.
Optou pelo ser. Sempre ser. 
Sermos. Para que sejamos.
Mais.

terça-feira, 2 de abril de 2013

Janelas da alma


Os olhos eram de um castanho tão profundo que refletiam o que não cabia nas palavras. 
Às vezes tinham um brilho avermelhado, confessando sutilmente desejos e pecados febris.
N'outras, eram cinzas de um passado que se foi. Grandes, vazios, paralisados naquele tempo de luz. 
Tinham momentos de calmaria. Um marrom terno, doce, quente, confortável. Que aconchega e abriga olhares de terremoto.
Eles também sabiam sorrir. Diminuíam centímetros e se apertavam livres, em comunhão com os lábios.
Ou sorriam sozinhos. Em silêncio. Observando. Brincando de ser feliz. 
Eram os olhos de quem enxerga além do que se vê. 
Inteligentes, velozes, hábeis, antigos. 
Olhos feitos de mistério, magnéticos. Que prendem, sugam, despem, exploram e descobrem: corpo, mente, outros olhos, alma, coração.
Quando estão negros, como poços obscuros e perigosos, é bom deixá-los a sós. Longe, fitando um horizonte sem fim. Até que as lágrimas lavem o que não foi.
Todavia, quando estiverem como milhões de estrelas - faiscando, iluminando, transformando - olhos de paixão, preste toda a atenção. 
Esses são os olhos de quem recomeçou e está esticando a mão dizendo assim: 
-Me leva com você.


© Califasia - 2015. Todos os direitos reservados.
Criado por: Ana Beatriz Miranda.
imagem-logo