sábado, 22 de setembro de 2012

O segredo



É bastante tênue a linha entre o equilíbrio e a desordem, a luz e o breu, a alegria e a tormenta.
Um dia, tudo parece transcender o caos. E o sol brilha mais, e as flores nos sorriem seus risos perfumados.
Mas, repentinamente, uma fagulha de negatividade invade a calmaria. E tudo desanda, estanca, desbanca.
Assim, deumavezsó.
Hora crítica de inspirar e expirar e matutar e esperar. Sem se perder pelo caminho.
Que tudo é um ciclo, que tudo que vai, se tiver que voltar, volta, que o mundo não faz o movimento de rotação e translação só pra termos dias e noites e quatro estações.
Não adianta ter pressa, nem se indignar, muito menos ser precipitado.
Atente pro que está ao seu alcance, olhe para os lados, fale o que tem que ser dito, siga sua intuição.
Felicidade pode ser qualquer coisa - um dia de sol, um abraço aconchegante, um sorriso inesperado, um desejo saciado.
É o conceito mais simples: a verdadeira beleza mora na simplicidade.

sábado, 1 de setembro de 2012

A voz do vento

Hoje eu acordei com o inverno soprando uma brisa suave e renovadora. O vento me sussurrou conselhos, segredos e bons presságios. 
Disse que eu devo confiar na minha intuição - e que, aliás, todos os cancerianos com ascendente em escorpião devem. Ensinou-me a não desacreditar nas pessoas, na verdade e no amor - apesar da recente decepção me desencorajar. Mandou-me sorrir e rir - muito, não ser tão rabugenta, debochar de mim mesma, acreditar que posso ir além, sempre. Aconselhou-me a seguir a luz das estrelas sem olhar para baixo, de mãos dadas com os meus. A ser mais leve, a não sufocar, a não me esquecer dos valores cultivados, a não revidar. Afinal, a brisa me disse, o mal fica pra quem o faz, o destino se encarrega. 
Ela me segredou que a maré está, enfim, virando. Delicada e cuidadosamente para não haver sustos.
Cheia de esperança, todavia com receio das quedas, eu a questionei se vou saber lidar com o que o futuro trará, se vou enxergar as boas oportunidades. 
O vento riu-se todo da minha insegurança e assim falou: não se preocupe. A roda viva vai levar embora toda dor e você vai se entregar ao mundo com toda intensidade que lhe é peculiar, sem se lembrar das cicatrizes que ficaram. Porque é só assim que vale a pena viver. Com riscos, com a cara e a coragem, com a cabeça erguida, com muita vontade. 
E foi-se embora.
O que me ficou do encontro inusitado foi um brilho novo nos olhos. A convicção de não mais perder meu tempo com o que não me acrescenta nada. 
E ser nova, novíssima, cada vez melhor, aproveitando a nova idade que veio junto com a fria brisa invernal.
© Califasia - 2015. Todos os direitos reservados.
Criado por: Ana Beatriz Miranda.
imagem-logo